Cristalina

Contato: (61) 3612-4622 / 9 8529-6967 

  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

Vigilante Penitenciário Temporário da UP de Cristalina nega propina e uma mulher é presa por participar da tentativa de suborno

Uma mulher de 24 anos foi presa em flagrante ao tentar repassar os ilícitos para o servidor 

 

 FOTO DA INTERNET

 

Um Vigilante Penitenciário Temporário (VPT), de 32 anos, plantonista na Unidade Prisional (UP) de Cristalina, pertencente à 3ª Coordenação Regional Prisional, negou aceitar propina, oferecida por ex detento do local, nesta segunda-feira, 28/10. A tentativa de suborno tinha como proposta a facilitação da entrada de drogas e celulares no presídio.

 

De acordo com o Coordenador Regional, Josimar Pires, o VPT, que há seis meses está lotado na UP, informou para a direção do presídio que um ex custodiado entrou em contato com ele, via redes sociais, e lhe fez a proposta.

Ele explica ainda que o material ilícito teria como destinatário um detento que cumpre pena no local  por roubo.

 

A direção informou à Policia Civil sobre o ocorrido. O flagrante foi feito após a monitoração por parte da UP, com o auxílio de forças policiais, que acompanharam o servidor até o local onde seria a entrega dos ilícitos. Uma mulher  de 24 anos o esperava e foi presa, de imediato, em flagrante. Com ela, estavam R$ 200, 00 reais, 50 gramas de substância análoga à maconha e porções de substâncias aparentemente crack. O companheiro dela é um dos custodiados da UP.

 

O Diretor-Geral de Administração Penitenciária, Coronel Wellington Urzêda, falou do exemplo de conduta ética e honesta do servidor para o sistema penitenciário. “ A atitude do servidor reflete a moral e a honestidade que são princípios indispensáveis na administração pública. Ele está de parabéns! Muito nos orgulha”, afirmou.

 

O Coordenador Regional também parabenizou o VPT. “ A coragem  e o comprometimento honroso do servidor ao denunciar o ocorrido e representou de forma digna o sistema prisional goiano no combate ao crime”, ressalta Pires.

 

A mulher foi encaminhada à Delegacia do município para as devidas providências. A direção da UP abriu procedimentos administrativos internos para apuração dos fatos e, após averiguações, serão aplicadas ao possível destinatário as sanções penais, em conformidade com a Lei.  As investigações sobre o ocorrido está a cargo da Polícia Civil. 

 

Fotos: DGAP

Comunicação Setorial

Diretoria- Geral de Administração Penitenciária (DGAP)

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Leia a Edição do mês - Outubro 2019