Cristalina

Contato: (61) 3612-4622 / 9 8529-6967 

  • Facebook ícone social
  • YouTube
  • Twitter
  • Instagram

Operação contra fraudes em licitações prende servidor público e ex-mulher, em Formosa

Segundo MP, eles usavam documentos falsos e uma empresa de manutenção de piscinas para participar dos processos. Investigação aponta que eles agiam há 9 anos e já causaram um  prejuízo de R$ 5,3 milhões.

 

Por Sílvio Túlio, G1 GO

 

 

FOTO DE DIVULGAÇÃO  

 

O Ministério Público (MP) deflagrou na madrugada desta terça-feira (12), em parceria com a Polícia Civil, uma operação contra um grupo criminoso suspeito de fraudar licitações em Formosa, no Entorno do DF. Um servidor público e a ex-mulher dele foram presos. Eles são suspeitos de causar um prejuízo de R$ 5,3 milhões aos cofres públicos.

Segundo as investigações, Ari de Sena Souza e Filomena Maria Ataídes praticavam irregularidades desde 2000. O advogado deles, Marlon Rabelo, disse ao G1 que foi "pego de surpresa" com a prisão . Ele disse que ainda não teve acesso ao inteiro teor do processo e só irá se manifestar quando isso ocorrer.

A ação, batizada de Mujahidin, também realiza, além das prisões, o cumprimento de quatro mandados de busca e apreensão.

De acordo com o promotor de Justiça Douglas Chegury, eles usavam uma empresa na área de manutenção de piscinas e documentos falsos para participar das licitações, o que era vetado em virtude de seu cargo.

"O esquema funcionava da seguinte forma: o Ari, sendo servidor público, não poderia participar de processos licitatórios no município. Então ele criou uma empresa e colocou como laranja, a frente dela, sua ex-esposa", explica.

Além das prisões, segundo Chegury, a Justiça bloqueou os bens dos presos em até R$ 5,3 milhões para a reparação dos danos ao erário.

Ari e Filomena responderão pelos crimes de fraude em licitação e uso de documento falso. Se condenados, podem pegar mais de dez anos de prisão. / G1 Goiás.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Leia a Edição do mês - Novembro 2019